jusbrasil.com.br
5 de Julho de 2022

É Legal A Utilização De Conversas Gravadas De Forma Oculta Como Prova Processual?

Artigo de autoria do Dr. Jedson Marchesi Maioli - Graduado em Direito pela Estacio de Sá - Campos dos Goytazaces/RJ, Especialização em Direito Processual Civil pela Faculdade de Direito de Vitória, FDV (2005). Presidente da OAB/ES - 4ª Subseção Guarapari (triênios 2010/2012 -- 2013/2015 -- 2016/2018), Professor de Graduação da Editora e Distribuidora Educac

Fabricio da Mata Corrêa, Advogado
há 5 anos

Não muito raro, profissionais da advocacia são procurados por clientes que, diante de certas situações, registram ter gravado conversas mantidas com terceiros (empregadores, empregados, vizinhos, sócios, cônjuges, etc.), com o objetivo de se resguardar ou de defender direitos por meio deste artifício. Justamente por tratar-se de um ato ardiloso ou sagaz, observa-se, nessas ocasiões, a preocupação desses cidadãos, receando que a clandestinidade dessas gravações possam ser consideradas como atos criminosos.

O presente artigo é breve, e sem qualquer pretensão de dirimir as questões controvertidas envolvendo a matéria, não se prestando assim, para discutir-se as hipóteses em que determinadas gravações clandestinas são realizadas, especialmente para fins incriminatórios (comprovação da prática de um crime).

Apesar da complexidade que caracteriza o tema, envolvendo fatores como liberdade de expressão, privacidade, intimidade, propriedade intelectual, sigilo de comunicação, dignidade individual, entre outros, a gravação realizada de forma oculta (clandestina) torna-se cada vez mais comum e recorrente entre os cidadãos, principalmente diante dos sempre renovados recursos ofertados pelos mais variados instrumentos tecnológicos, que estão à disposição de todos, sendo inegável que a maioria dos aparelhos de telefonia celular, por exemplo, não só permitem, como originariamente, memorizam conversas, fotos e os mais variados arquivos digitais.

Inicialmente, faz-se necessário diferenciar, resumidamente, os institutos da “Interceptação Telefônica” e os da “Gravação Clandestina”.

A interceptação telefônica “é a captação de conversa telefônica feita por um terceiro, com ou sem consentimento de alguns dos interlocutores”[1]. Ocorre para fins de investigação criminal ou instrução processual penal e com autorização judicial - Lei nº 9.296/1996.

Já a gravação clandestina é condicionada a duas hipóteses: a) Gravação telefônica propriamente dita, caracterizada pela captação de conversa telefônica realizada por um dos próprios interlocutores e sem o consentimento do outro; b) Gravação ambiental, que é aplicada a conversas realizadas em um determinado ambiente, feita por um dos interlocutores da conversa e, de igual forma, sem o consentimento do outro.

A gravação clandestina, seja a representada pela gravação telefônica propriamente dita, seja a obtida em um certo ambiente, não é, como se pode imaginar, considerada como meio de prova ilegal, podendo ser utilizada em processos, mesmo sem autorização judicial, revestindo-se portanto, do caráter da serventia e da validade jurídica de acordo com algumas circunstâncias a serem observadas, a exemplo da necessidade da comprovação de um direito a ser buscado ou defendido. Entretanto, poderá ser considerada como prova ilícita, na hipótese desta gravação representar abuso de um exercício de direito, ou violação de um dever de sigilo, como ocorrem em certas relações profissionais.

Os juristas que defendem a ilicitude da utilização da gravação clandestina como meio de prova, usam como argumento a afirmativa de que tal meio de prova não é moralmente legítima por representar violação a direitos constitucionais a exemplo da intimidade, da imagem, da honra, etc.

Sob o aspecto da ilicitude, se a gravação clandestina se prestar a finalidades estranhas ao direito, como; não visar defesa dos interesses de um dos interlocutores; ter o único propósito de divulgação e exposição das pessoas envolvidas; de agir de forma a caracterizar abuso do exercício de um direito; configurar-se em instrumento para exigir vantagens de um dos interlocutores, poderá implicar em responsabilidade tanto na esfera criminal como no âmbito da área cível, inclusive com reflexos condenatórios a título de indenização por danos morais e, dependendo dos seus aspectos, por danos materiais.

Enfim, em regra, as gravações clandestinas, que podem sofrer críticas no aspecto ético, no âmbito do direito possuem validade jurídica e podem ser utilizadas como prova em processos, mesmo sem autorização judicial e sem o consentimento do outro interlocutor.


Jedson Marchesi Maioli - Graduado em Direito pela Estacio de Sá - Campos dos Goytazaces/RJ, Especialização em Direito Processual Civil pela Faculdade de Direito de Vitória, FDV (2005). Presidente da OAB/ES - 4ª Subseção Guarapari (triênios 2010/2012 -- 2013/2015 -- 2016/2018), Professor de Graduação da Editora e Distribuidora Educac


[1] Fernando Capez – Curso de Processo Penal.

Informações relacionadas

Tribunal Superior do Trabalho
Notíciashá 11 anos

Gravação de conversa pode ser usada como prova na Justiça

Artigoshá 8 anos

Constitucionalidade do uso da gravação clandestina como meio de prova

Canal Ciências Criminais, Estudante de Direito
Artigoshá 5 anos

Posso utilizar conversas gravadas clandestinamente como meio de prova?

John Lincoln, Advogado
Artigoshá 7 anos

Gravação unilateral de diálogo efetivada por um dos interlocutores – prova lícita

Fabiana Carvalho, Advogado
Modeloshá 2 anos

[Modelo] Contestação à Ação de Ressarcimento por Danos Materiais e Morais

5 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Boa tarde,
Alguns meses atrás, sofri um transtorno em meu trabalho, meio que me obrigando - indiretamente - não estar em minha sala de trabalho (no qual era compartilhada com as pessoas que geraram este desconforto). Enfim, em um certo dia, deixei o gravador na sala (sem elas saberem) e fiquei em outra sala durante todo o período, resgatando o gravador apenas no final do dia. Na gravação, consta a conversa destas 3 pessoas fazendo um relatório para que me tirassem do local de trabalho (transferência) além de satirizarem com relação a minha restrição de trabalho (problemas de saúde).
De acordo com a matéria acima, gostaria de saber se o fato de ter gravado esta conversa entre elas - sem estar presente - pode caracterizar como gravação ilícita/ criminatória ou não, pois algumas pessoas dizem que estou no meu direito e outras dizem que é ato criminal caso eu venha expor a gravação.
Aguardo breve orientação.
Grato
Fabiano continuar lendo

Em caso de estrupo pode se usar uma gravação de uma pessoa relatando o fato para mim? continuar lendo

Boa tarde,a gravação por celular com o intuito a conseguir provas contra uma pessoa sem o consentimento do outro,e tempo todo tentando colocar palavras incentivando a pessoal a confirmar o que ela quer gravar, é ilícito? continuar lendo

Parabéns! Excelente artigo. Muito elucidativo! continuar lendo